Tel: +55(24) 2271-1124  |  Email: folha@folhapopular.net.br




Parceiros



Empresa da França testa vacina universal em dose única contra a Covid-19

Autoria: Redação  |  Fotos: Divulgação

Os imunizantes atuais têm como alvo a proteína Spike, situada na superfície do Sars-CoV-2, que permite a entrada do Coronavírus nas células humanas. O objetivo é fazer o corpo acreditar que está sendo infectado para gerar uma resposta imune.

Diante de tantos senões, muitas start-ups estão apostando em uma solução que parece milagrosa, mas é cientificamente viável: uma vacina universal, que vise uma resposta imunitária mais global do que a gerada pelos anticorpos específicos, visíveis nos exames de sangue após a contaminação ou a vacinação.
Os imunizantes atuais têm como alvo a proteína Spike, situada na superfície do Sars-CoV-2, que permite a entrada do Coronavírus nas células humanas. O objetivo é fazer o corpo acreditar que está sendo infectado para gerar uma resposta imune.
A vacina universal utiliza uma outra estratégia, que visa agir contra eventuais mutações e variações do coronavírus, que podem pertencer até mesmo a outras famílias.
A ideia é utilizar a parte interna do vírus, mais estável, e ativar a chamada imunidade citotóxica, que leva os linfócitos T, que atuam na resposta antiviral, a produzir citocinas ou destruir diretamente as células contaminadas. Essa característica tornaria possível, por exemplo, a administração de uma só dose para proteger o indivíduo da Covid-19 pelo resto da vida.
A start-up francesa Osivax aposta nesse caminho e adaptou à Covid-19 os estudos que já vinham sendo feitos para desenvolver um imunizante universal contra todas as cepas do vírus da gripe, explica o engenheiro de biotecnologia Alexandre Le Vert, diretor e cofundador da start-up.
Criada em 2017 em Lyon, na França, a empresa também trabalha com uma equipe de cientistas baseada na Bélgica.
“Quando a pandemia de Covid-19 começou, em 2020, imaginamos que os estudos usados na vacina contra a gripe poderiam ser potencialmente aplicados na Covid-19, já que os dois vírus são relativamente próximos”, explica o engenheiro francês.
Além disso, a proteína-alvo utilizada nas pesquisas há oito anos era comparável à detectada no Sars-CoV-2, detalha. A particularidade da vacina universal, explica, é que ela tentará desencadear uma resposta imunitária na parte interna do Coronavírus, chamada nucleocapsídeo.

galeria de imagens desta notícia

deixe seu comentário



 



comentários

Os comentários não expressam a opinião da Folha Popular ou de seus representantes e colaboradores e são de inteira responsabilidade das pessoas que os escreveram.

Nenhum comentário



outras notícias



A Folha

Capa
Expediente
Contato

Redes Sociais

Facebook
Twitter
Youtube

Segurança

Acesso Restrito
Webmail

Assine nossa NewsLetter !

Por favor, digite seu Nome e Email

Digital Newsletter

Para cancelar inscrição, por favor clique aqui» .

Voltar ao topo